Devo ou não usar? E se eu estiver doente? Máscaras caseiras adiantam alguma coisa? BBC News Brasil responde a essas e outras perguntas sobre equipamento.

Máscaras cirúrgicas devem ser usadas somente por quem tem suspeita de Covid-19 e para profissionais de saúde Getty Images/ BBC A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde de que máscaras cirúrgicas devem ser usadas somente por quem tem suspeita de Covid-19 e para profissionais de saúde foi largamente ignorada por pessoas no país inteiro.

Fotos de pessoas sem suspeita da doença circulando com máscaras cirúrgicas são imagens comuns nas ruas e na cobertura da mídia sobre o assunto. Autoridades e especialistas ouvidos pela BBC News Brasil, no entanto, reforçam: a principal forma de prevenção contra a doença não é o uso de máscaras, mas principalmente ficar em casa e, caso precise sair, lavar bem as mãos, manter distanciamento social e evitar tocar o rosto.

A BBC separou uma série de dúvidas comuns para explicar tudo sobre o uso ou não de máscaras — e por que a recomendação de máscaras é somente para pessoas doentes e profissionais de saúde.

O quanto as máscaras de fato protegem? As máscaras fazem sentido se usadas por profissionais que tem de lidar com pessoas infectadas —, pois faz parte de todo um conjunto de equipamento protetor.

Mas usadas por indivíduos como forma de proteção nas ruas, são pouco eficazes. Pesquisas que existem até agora mostram que o novo coronavírus, chamado Sars-Cov-2, se espalha através de secreções e gotículas que saem da boca quando as pessoas tossem ou espirram, o que os médicos e cientistas chamam de aerossóis.

Além de passarem direto para pessoas que estejam próximas, essas gotículas contaminam superfícies, nas quais as outras pessoas tocam e, ao tocar o próprio rosto, se contaminam.

As máscaras cirúrgicas (aquelas comuns que vocês vê na foto acima) não são eficazes contra os vírus que circulam no ar porque são muito frouxas, não têm filtro de ar e deixam os olhos expostos.

Mas mesmo as máscaras mais avançadas, como a N95, capazes de filtrar vírus do ar, não protegem o olho, por exemplo.

Os dois tipos de máscara podem diminuir o risco de contrair através da contaminação mão-boca (porque a pessoa não vai conseguir tocar a boca nem o nariz), mas, sozinhas, elas não fazem muito efeito, explica o virologista Jonatas Abrahão, da Sociedade Brasileira de Virologia e professor da Universidade Federal de Minas Gerais.

Máscara N95, usada por Bolsonaro, é uma das mais avançadas, mas não protege os olhos Ueslei Marcelino/ Reuters "Para os profissionais de saúde, elas fazem parte de todo um conjunto de equipamento individual de proteção, que deve incluir óculos, capa ou jaleco, luvas etc", explica.

"Para quem não precisa estar em contato com pessoas doentes, não adianta usar uma máscara cirúrgica ou mesmo uma máscara N95, mas tocar em uma superfície contaminada e tocar o olho, que a máscara não cobre", diz o virologista da UFMG.

"[Ela não evita] tocar em uma superfície contaminada e depois o olho — que a máscara não cobre...

Ou mesmo se alguém tossir perto de você, pode ir no olho." "Se você não é profissional de saúde, a melhor forma de prevenir é manter mesmo o isolamento social, manter distância das pessoas se precisar sair, lavar bem as mãos e não tocar o rosto", reitera.

"Os profissionais não têm essa opção [de ficar longe] eles precisam estar próximos dos pacientes." "As máscaras têm outro problema, é a falsa sensação de segurança.

A pessoa pensa: 'ah, eu estou com a máscara, então posso sair, estou protegido'.

E não é bem assim", explica o virologista .

"Sem contar que a maioria das pessoas não sabe usar, fica tirando para falar, aí leva a mão para o rosto pra tirar e colocar", diz ele. Por que profissionais de saúde usam a máscara cirúrgica se ela não filtra o ar? O ideal, dizem os especialistas, seria que todos os profissionais de saúde usassem as máscara do tipo N95 ou PFF2, que fazem a filtragem do ar, durante qualquer procedimento em que estejam próximos dos pacientes e que possam ser atingidos pelas gotículas produzidas pela tosse.

No entanto, como as máscaras desse tipo estão falta, o Ministério da Saúde determinou que é obrigatório o uso das máscaras cirúrgicas.

"Embora elas não sejam as ideais, elas dão algum nível de proteção aos profissionais de saúde porque são usadas em conjunto com outros equipamentos de proteção", explica Jonatas Abrahão. Abrahão afirma também, que além do fato de chegarem mais perto de pessoas doentes — o que alguém que não é profissional pode evitar — os profissionais estão expostos a uma carga viral muito maior.

Segundo o Ministério da Saúde, "apenas o uso da máscara cirúrgica é insuficiente para fornecer o nível seguro de proteção e outras medidas igualmente relevantes devem ser adotadas, como a higiene das mãos frequentemente com água e sabonete líquido antes e após a utilização das máscaras".

Segundo a pasta, os equipamentos recomendados incluem protetor ocular ou de face, luvas, capote (aquela capa sobreposta) ou jaleco.

Além disso, esses profissionais recebem treinamento para como fazer o uso correto do material — o que melhora as chances dele funcionar.

Por que as pessoas com sintomas devem usar? O Ministério da Saúde recomenda que pessoas com suspeita de estarem com coronavírus devem usar máscaras cirúrgicas porque isso ajuda a diminuir a disseminação das gotículas com o vírus.

"Com a força da tosse ou do espirro, as gotículas voam longe.

A máscara cirúrgica não filtra o vírus, mas ajuda a impedir que essas gotículas se espalhem demais, contaminando pessoas e superfícies", explica Abrahão.

Máscaras feitas em casa adiantam para alguma coisa? Para proteção, máscaras feitas em casa são ainda menos eficientes do que as máscaras cirúrgicas para proteger contra o vírus, porque não usam o tecido adequado e não são descartáveis, afirma o virologista Abrahão.

"Você pode, se quiser, usar uma máscara feita em casa ou um cachecol, ele podem também ter o efeito de impedir que você toque na boca ou no nariz, mas depois de chegar em casa você tem jogar isso fora ou colocar imediatamente para lavar", afirma ele.

"Se você usa o mesma máscara de tecido pra ir no mercado toda vez sem lavar, toca nela, ela pode ter o efeito contrário, de ficar contaminada e contaminar você", afirma.

Em uma entrevista coletiva de quarta (24), o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, disse que "até mesmo máscaras feitas em residências" podem ser uma alternativa nesse momentos de crise.

Em uma pessoa doente, na falta de uma máscara cirúrgica, a máscara feita em casa pode ajudar a diminuir a disseminação das gotículas com o vírus, mas de forma menos eficiente que a máscara cirúrgica, explica Abrahão.

Mas o problema é que elas são de difícil esterilização.

"Tem que jogar fora depois", diz ele.

Máscaras cirúrgicas normalmente são descartáveis — você usa uma vez e joga fora. As pessoas devem comprar máscaras? A Organização Mundial de Saúde não recomenda que pessoas sem suspeita de coronavírus comprem máscaras. "A orientação da OMS é que as pessoas usem máscaras se elas mesmas estiverem doentes, se tiverem sintomas respiratórios.

E o motivo para isso é que elas evitem a transmissão para outra pessoa, não para evitar que elas mesmas se infectem", afirmou Maria van Kerkhove, líder do programa de emergências da OMS.

Além de não oferecerem tanta proteção sozinhas — como explicado pelos especialistas e autoridades —, a corrida por essas máscaras fez com que houvesse falta delas para os profissionais de saúde.

"A melhor forma de prevenção é o isolamento e o distanciamento.

Mas o profissional de saúde não tem essa opção, ele precisa chegar perto das pessoas, então precisa das máscaras (idealmente a N95) e dos outros equipamentos", explica Abrahão.

Diversos hospitais públicos na região metropolitana de São Paulo já estão com diversos equipamentos de proteção em falta, e há relatos do mesmo acontecendo em outros lugares do Brasil.

Na entrevista coletiva de quarta (24), Gabbardo dos Reis, afirmou que o Ministério da Saúde vai "comprar toda a produção nacional de máscaras" para atender os hospitais, que "vai apreender todos os que tentaram exportar máscaras" e vai tentar comprar o máximo de máscaras que houver disponível no mundo.

Na terça (25), o Ministério da Saúde disse que já comprou 40 milhões de máscaras para serem distribuídas aos Estados e outras 240 milhões estão em processo de aquisição.

Em uma nota técnica sobre o coronavírus, o Ministério da Saúde disse também que "usar máscaras quando não indicado pode gerar custos desnecessários e criar uma falsa sensação de segurança que pode levar a negligenciar outras medidas como práticas de higiene das mãos". Alguns outros países estão comprando todos os estoques e também restringindo a compra de máscaras para pessoas física, já que o serviço de saúde pode fornecê-las para quem tem suspeita.

Na França, o presidente Emmanuel Macron anunciou que o país vai requisitar "todos os estoques e a produção de máscaras de proteção" para distribuir para os profissionais de saúde e para os doentes.

Os casos O primeiro registro do coronavírus no Brasil foi em 24 de fevereiro.

Um empresário de 61 anos, que mora em São Paulo (SP), foi infectado após retornar de uma viagem, entre 9 e 21 de fevereiro, à região italiana da Lombardia, a mais afetada do país europeu que tem mais casos fora da China.

De acordo com o Ministério da Saúde, o empresário de 61 anos tinha sintomas como febre, tosse seca, dor de garganta e coriza.

Parentes dele passaram a ser monitorados.

Dias depois, exames apontaram que uma pessoa ligada ao paciente também estava com o novo coronavírus e transmitiu o vírus para uma terceira pessoa.

Todos permaneceram em quarentena em suas casas, pelo período de, ao menos, 14 dias.

Após o primeiro caso, outros diversos registros passaram a ser feitos no Brasil.

Muitos vieram de países com inúmeros casos do novo coronavírus, mas depois foram registrados casos de transmissão local e, por fim, comunitária. Duas semanas depois, foi anunciado que o empresário de 61 anos está curado da doença provocada pelo novo coronavírus. Cuidados Coronavírus: como lavar as mãos da forma ideal? A principal recomendação de profissionais de saúde que acompanham o surto é simples, porém bastante eficiente: lavar as mãos com sabão após usar o banheiro, sempre que chegar em casa ou antes de manipular alimentos. O ideal é esfregar as mãos por algo entre 15 e 20 segundos para garantir que os vírus e bactérias serão eliminados. Se estiver em um ambiente público, por exemplo, ou com grande aglomeração, não toque a boca, o nariz ou olhos sem antes ter antes lavado as mãos ou pelo limpá-las com álcool.

O vírus é transmitido por via aérea, mas também pelo contato. Também é importante manter o ambiente limpo, higienizando com soluções desinfetantes as superfícies como, por exemplo, móveis e telefones celulares. Para limpar o celular, pode-se usar uma solução com mais ou menos metade de água e metade de álcool, além de um pano limpo. Initial plugin text