♪ Rael tirou o peso do próprio rap no quarto álbum solo de estúdio do artista, Capim-cidreira, disco de tom mais sereno lançado em 12 de setembro de 2019 com oito músicas em dez faixas que causaram o efeito pop pretendido pelo cantor e compositor paulistano.

Dez meses depois, o rapper potencializa a calmaria deste disco em EP intitulado Capim-cidreira (Infusão) e programado para chegar ao mercado fonográfico na quinta-feira, 2 de julho, com seis faixas.

A real novidade está na única música inédita do EP, Rei do luau, gravada por Rael com a cantora Iza.

As demais cinco faixas apresentam reciclagens – no formato de voz e violão – de músicas de dois álbuns do rapper.

Três vieram de Capim-cidreira, o álbum de 2019.

Duas foram apresentadas originalmente no álbum Ainda bem que eu escutei as batidas do meu coração (2013), lançado há sete anos.

É o caso de Tudo vai passar, parceria de Rael com o MC paulistano Msário, e também de Semana (Rael, 2103).

“Capim-cidreira (Infusão) foi um jeito que eu encontrei para tentar lidar com tudo que tá acontecendo de um jeito positivo e mais leve”, conceitua Rael.

Para manter a positividade, o rapper manteve a conexão com o Melim.

O trio, que gravou Só ficou o cheiro (Rael, 2019) no álbum do ano passado, também figura no EP Capim-cidreira (Infusão).

No EP, Rael também regrava as músicas Flor de aruanda (Rael, Rafael Tudesco e Bruno Marcucci, 2019) e Beijo B (Rael e 2B, 2019), ambas do álbum original de 2019.